terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Não me importa...

Não me importa
Se, como diz a canção,
A vida vai torta

Não me importa
Se a felicidade
Me errou a porta

Não me importa
Se essa indiferença
Me corta

Não me importa
Se a palavra
Nasce morta


Porque entre o que não me importa
E o que sou
Nasce o novo dia
E eu vou na sua melodia…

Para onde vou?
Não me importa
Ainda que a vida seja torta
É nela que estou.

5 comentários:

Zeze disse...

Olá
Tanta coisa que nós não nos importavamos depois de ter passado por elas...

Beijoka

mateo disse...

Se a vida passa torta... por perto... dá-lhe um pontapé. Pode ser que endireite um pouco mais.
Bjs

Fénix disse...

Enquanto há vida há esperança e se está torta há sempre tempo de a endireitar, é só preciso querer e ter força para o fazer. Querer. Querer bastante. E ter muita força. E não esquecer nunca de não atropelar ninguém pelo caminho. No caminho da felicidade, não pudemos fazer cair os outros. Nunca seremos felizes se algo nos perturba a mente.

Coragem.

paopbocca disse...

não me importo, importndo-me.
a felicidade nasce morta
e corta como facas afiadas

a vida está-se
a felicidade merece-se
beijo

Anónimo disse...

Como sempre Irene a sua poesia é forte como gosto com personalidade, carácter e sensível, cheia de emoções de interiores silenciados e por isso magnificos.
Parabéns pelo livro e não mude. Seja sempre a mulher que é, mesmo com a vida torta.
Vidas tortas é o destino dos poetas.
Quando se começa a ter a vida muito direita, deixamos de fazer poesia.
Vinicius dizia que toda a mulher tem um quê de tristeza, daí a sua beleza. Imagine agora ser mulher e poeta.
Um beijo minha amiga.
Maria Antonieta