segunda-feira, 24 de março de 2008

Balanço

Depois da big party e das respectivas arrumações, tem sido muitas sopas e descanso. Entreguei-me à leitura dos livros que me ofereceram, entremeada com umas sonecas e contemplações do céu a partir da minha janela.
Ontem de manhã, o céu estava especialmente azul e, deitada na minha cama,(tenho o privilégio de ter um janelão enorme de onde só se vê o céu), havia uma pequena nuvem branca, tipo pincelada ao acaso, pequena, redonda, que foi desaparecendo, no seu trajecto. Depois vieram outras, pequenas, brancas, airosas, que passaram também e dei por mim a pensar nos meus amigos, na minha família, na festa, nos quarenta, nas pessoas que passaram na minha vida sem deixar grande impressão, como aquelas nuvens brancas e leves, e noutras que passaram e deixaram um rasto, tipo aquelas nuvens associadas a grandes tempestades das quais, anos depois, ainda se guardam reminiscências dos danos que provocaram. Finalmente pensei nas pessoas que têm permanecido, nas que têm chegado de novo... Pensei nos meus alunos, especialmente nos mais problemáticos, naqueles que me dão mais luta, naqueles que são mais dificeis e em como é bom ganhar o afecto deles. Ontem de manhã, um deles, talvez o mais problemático de todos, ligava-me com um ar choroso, a dar-me os parabéns, a dizer que se tinha esquecido e se me podia mandar uma mensagem de Páscoa... Era domingo de Páscoa e sei que para ele seria só mais um dia, em que provavelmente racharia lenha, seria ridicularizado pelo pai, trabalharia duro, não haveria amêndoas, coelhos de Páscoa ou mimos. Portanto festejei o seu telefonema como se tivesse chegado no momento exacto do aniversário.
Tenho esta mania de abrir a porta a toda a gente, de partir à descoberta de cada pessoa, só com expectativas positivas e de as deixar revelar-se na sua plenitude, não serão perfeitas porque eu também não sou, às vezes não corre bem, porque de facto há algumas que nos trazem muito pouco de bom. Em compensação há outras... que tudo compensam.
Pensei nas pessoas que estiveram em minha casa, nos seus percursos de vida, nos seus problemas, no muito que me têm enriquecido, no porquê de estarem ali. Os meus pais, com quem sempre contei, a quem tudo devo. Os meus filhos, companheiros insubstituíveis. E todos os outros, especiais para mim, de alguma forma.
Pensei nas que não estiveram, embora eu o tivesse desejado, mas que não estando em corpo, o estiveram em espírito, acompanhando-me. Como em cada dia.
E depois, regressei ao livro, e depois veio uma sonolência e fiz uma soneca.
"Tá-se" bem.

4 comentários:

Narrador disse...

Bem...No mínimo...é um balanço extremamente positivo!

Anónimo disse...

Foi você quem me incentivou a navegar...nas ondas imaginárias deste mundo virtual.
Encontrei blogues que nos deleitam a alma; são o expoente máximo da interioridade humana,feita palavra, outros eu vi que,se pudessem ser espremidos,só deitariam sangue;são demasiados mórbidos para o meu gosto.
Para mim,um livro,um filme,uma palavra escrita ou falada,têm tanto mais valor quanto mais intensa for a sua mensagem de amor e de esperança.Sou um adepto incondicional da psicologia positiva.
Já o disse em comentários anteriores,permita-me que lho diga mais uma vez: você projecta emoções, na tela da vida,tal como um artista plástico o faz quando pinta a sua melhor obra de arte.
Nós,pais,gostamos que os filhos falem de nós;gostei da forma carinhosa como falou dos seus.
Hoje, que tanto se fala da escola e da luta dos professores,comoveu-me o seu gesto maravilhoso para com aquele seu aluno,talvez rebelde,mas tão carente de amor.Quantas vezes os professores têm de ser,simultaneamente,professores,pais e psicólogos!!!

"...nuvem branca...dei por mim a pensar nos meus amigos..."
Penso, logo existo!E ainda bem que existe.
Sente-se na nuvem e voe pelo céu;passe aqui pela capital do distrito e, do alto dessa nuvem, deixe cair as sementes da sua generosidade.
Agradeço a parte que me for reservada...

Continue assim...e o mundo será melhor!

:-* josé

Anónimo disse...

Gostei tanto deste texto. Ele revela você, a verdadeira mulher que poucos conhecem mas que existe em si. Continue assim , alegre, jovial, autêntica genuina.
Subscrevo tudo o que o José disse sobre você.
honra-me poder chamar~lhe Amiga.
Maria Antonieta Mariano

Os meus rabiscos disse...

Narrador...
Obrigada!É positivo sim senhor, também porque aquilo que é negativo relevo pra segundo plano!

Prafrente, obrigada pelas suas palavras, sempre gentis. Às vezes precisamos dum empurrãozinho... No bom sentido claro, e é para isso que cá andamos.

Antonieta,
você está alegre, genuína, com uma pedalada imparável!
Obrigada!