sábado, 3 de janeiro de 2009

torrente

passam as àguas

correntes de mim

gotas que se dividem

e se reunem


assim



caudal.

5 comentários:

Fénix disse...

Olá Maresia!
Quem não ama o mar? :)
Obrigada pela visita e pelas palavras generosas de incentivo.

"... voltar a amar..."
Eu quero.
Decidi consciencializar-me a dar uma oportunidade ao meu coração.
A experiência por que passei tem-me ensinado bastante. No espaço de um ano e meio aprendi imenso. Mas também graças a essa aprendizagem, sei que é impossível voltar a sentir o amor de contos de fadas que eu sentia, simplesmente porque não existem príncipes.

Temos de dar uma oportunidade à vida, para não sermos agarrados pela morte.

As imagens e as aprendizagens do passado reúnem-se para formar um rio caudaloso que se dirige para o mar, sem medo de cascatas.

Angel disse...

Será sempre o mar o meu eterno confidente...é nele que desabafo e desabo...é ele que me compreende.

Bom Ano 2009

Beijos

Angel

Zeze disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
O Árabe disse...

... e é preciso que assim seja. Porque apenas nas gotas de nós, nos encontramos.
Feliz Ano Novo!

arlindo mota disse...

A poesia vai correndo para a foz, colhendo a maresia e aproveitando o iodo, agreste perfume das marés.
Vou continuar a passar por aí.

Blog "A Seda das Palavras"