sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Chuva

lá fora
bate ritmada a chuva fria
cá dentro
no ainda calor da noite
amanheço na madrugada sonhada
que nunca será nossa



enrosco-me no meu pensamento
fecho os olhos ao dia que quer chegar


neste torpor dolente
a tristeza passa rente.

2 comentários:

fernando alves disse...

...chuva, gripe e dores físicas... em dia de bruxas!

gostei de ler...

João de Sousa disse...

a solidão é um ponto de partida, que alvorece forte e destemida