domingo, 19 de abril de 2009

Vem aí... Palavra


nesta manhã me reclino

neste silêncio me escrevo

nesta terra molhada me planto


e na manhã sou destino

e no silêncio sussurro

e na terra pranto


e quando o sol chegar

a palavra será nua

andará solta na rua

semente de pensar

faca de magoar

fio de ligar


ou só silêncio

a germinar...




7 comentários:

deixas_em_mim disse...

Venha, "Ela", porque, escondido por detrás das tuas palavras, há um mundo de sentidos, de sentimentos, que crescem sem que muitas vezes consigas perceber.
Venha "Ela", nua, semente, faca, fio, ou só silêncio, mas livre...

prafrente disse...

Nesta manhã o sol nasceu
a sua palavra já pode
ser nua
e andar á solta na rua.
pode ser semente de pensar
sentimento para amar
mas jamais
faca de magoar.

Também pode ser silêncio
a germinar...

E cada um colhe daquilo que semeou.Por isso esteja atenta á qualidade das "sementes" que colocou a germinar na terra molhada onde se plantou.

Bela foto...

Bom Domingo

francis disse...

aguardo então...

Maresia disse...

Deixa_em_mim

livre... sempre!

Maresia disse...

prafrente

Obrigada!

Maresia disse...

francis
ela vai surgindo e desemboca por aí...

luiz alfredo motta fontana disse...

Esse estar atento despido da ansiedade, quase que displicente, não é aprendido em lições de comportamento, mas sim no aprender o nado errático dos versos.

Permito-me então:



Simplesmente

(luiz alfredo motta fontana)



Andava cada vez mais lento,

falava pausado,

ouvia atento,

olhava ao longe,

sorria baixinho.

O motivo?

A poesia.

Descobrira com o tempo,

ela ignora a etiquêta,

não avisa,

não acena,

simplesmente aparece!