sábado, 2 de fevereiro de 2008

Rir

Rir faz bem à alma! Eu gosto muito de rir e em minha casa rimos muito. O sentido de humor é fundamental e a capacidade de rirmos de tudo e especialmente de nós é uma ferramenta essencial para a vida. Por isso sempre incentivei essa capacidade nos meus filhos e agora tenho dois companheiros de sentido de humor apurado e com quem me divirto muito.
Esta semana ri muito à conta dum livro, o que já não me acontecia desde os meus tempos de adolescente quando lia os livros das Gémeas no Colégio das Torres. Quando digo rir, é rir à gargalhada, depois emprestei o livro ao meu filho e a cena repetiu-se.
O livro foi-me oferecido por um amigo, que o partilhou comigo, e eu cá estou a partilhá-lo convosco. O livro chama-se Wilt e o escritor é um humorista inglês chamado Tom Sharpe que nos conta a história de um homem de meia-idade, Wilt, sufocado pela rotina de uma vida que cada vez sente mais desprovida de significado e que vai ser posto à prova por uma sucessão de acontecimentos, no mínimo, rocambolescos. É um livro de fina crítica social, em que todos identificamos algo de nós ou de pessoas que conhecemos nas personagens que por lá se movimentam.
O livro põe-nos muito bem dispostos, aviso que existe algum português um pouco mais vernáculo pelo meio e que há situações que podem eventualmente chocar mentes mais sensíveis (assim já sei que muita gente vai a correr ler… acho que a publicidade aos livros devia ser tão agressiva como as de outros produtos!)
Aviso para não lerem o livro em público que é para não serem julgados como atrasados mentais, como me aconteceu a mim esta semana que o li na sala de espera da urgência pediátrica do Hospital de Leiria e onde, apesar do motivo que me lá levou, ri a bom rir, suscitando olhares reprovadores e curiosos. Já agora aproveito para elogiar o funcionamento desta urgência, assim dá gosto!
Finalmente… Riam! Esqueçam o “muito riso, pouco siso”, não faltam para aí estudos científicos a comprovar os benefícios do riso.

1 comentário:

Dulce Alves disse...

Li algures que "rir/sorrir é a linguagem dos inteligentes". Para mim é (felizmente) um estado quase constante que acaba por ser terapêutico.

Quanto àquela situação de rir mesmo quando estamos sozinhos, não se acanhe com os olhares à sua volta, porque triste daquele que reprovar o contentamento dos demais.