quarta-feira, 4 de novembro de 2009

manifesto

deixo passar as correntes...

não vou em correntezas
foi jura há muito escolhida
de ninguém adopto as certezas
no que for a minha vida
a mim responderei

e as migalhas que me querem dar
lixo!
sou pouco
sou muito
sou apenas

eu sou
e vou

onde?
quando lá chegar saberei...


para já basta-me este aconchego
e a chuva lá fora.

Nada mais preciso.

6 comentários:

Zeze disse...

Olá

Lindo
Migalhas de Sentimentos Ninguém precisa! Precisamos sim de empenho desse Amor...

Beijoka

francis disse...

Ok, deixa então passar a corrente...

Carlos Gonçalves disse...

Já não passava por aqui há tempos e digo-te a tua poesia continua linda!
Este manifesto podia ser o meu, revejo-me nestas palavras, gosto de ser rio a transbordar das margens, gosto de ser ovelha tresmalhada, não gosto que me empurrem para onde não quero ir.

Um beijo.

Carlos

prafrente disse...

Vá lá, não se deixe cair na corrente gelada do rio.
Essas gripes caseiras já passaram?

Força.Vem aí o verão de S.Martinho...

PQ disse...

Sublime.

Lana disse...

Olá Maresia,
lindo como diz Zeze sim mas, deixa-me dizer-te que asas não terás ... a não ser as asas do sonho tornado escrita pura e mto bonita. Obg pela partilha.
Sim voltei mas não sei por quanto tempo ... o importante é viver!
1 sorriso mto luminoso e obg por tudo.
Lana