terça-feira, 20 de maio de 2008

Abrigo

Deixa-me dizer-te
da chuva que cai miúda
sobre o meu coração

deixa-me contar-te
da torrente
que passa

deixa-me narrar-te
a história
que me contaste ao ouvido...

És chuva no meu sequeiro
calor no meu Inverno


És e abrigas-me.

9 comentários:

(Un)Hapiness disse...

todos procuramos A protecção...

kiss***

Crisfonseca disse...

Que linda poesia, que lindo espaço
Beijos
Cris

Shelyak disse...

vim-te conhecer... :)
Beijinho que te deixo!

Som do Silêncio disse...

Olá, bom dia!

Obrigada pelas palavras que me deixaste no meu espaço, assim tive a oportunidade de conhecer o teu.
Quero dizer que gostei muito dos momentosque aqui passei, pois agradou-me tudo o que li.
Volto certamente!

Beijo terno

Pedro Branco disse...

Perto de mim aconchegaste o teu verso
Adormeces pelos trilhos da saudade
Cantas toda a tua verdade
Nas correntes do amor submerso

Sabes para onde vais?
Segue então o teu caminho
Deixa-te molhar assim de mansinho
Que é chuva, de um barco a sair do cais

poetaeusou . . . disse...

*
chuva,
secando a torrente,
nas fábulas de inverno,
de abrigadas histórias,
,
conchinhas
,
*

scaramouche disse...

que bonito.
escreves tão bem.

abraço.
scaramouche.

Arco-íris disse...

Vim retirbuir a visita, e adorei o seu espaço...parabéns...
beijinhos...

NAELA disse...

Linda obrigada pela visita!
Deixa-me narrar-te a historia...momentos que tornam-se magicos e sublimes se deixarmos a essencia da vida comandar o nosso ser!
Gostei muito do teu cantinho
Um beijo doce