segunda-feira, 4 de maio de 2009

caminhada


deste madrugada morna
quero a serenidade



deste sol nascente
quero o brilho


nada mais


vou só no meu trilho...





11 comentários:

Lídia Borges disse...

Que reparadora pode ser uma caminhada assim!
Também faço as minhas, à procura da serenidade, do brilho...

L.Borges

luiz alfredo motta fontana disse...

Ias só

agora...

Tens ao lado

o passo leve da poesia

E por falar nela...

Tens certeza que te deixou só?

...mesmo por um instante?

Maresia disse...

Caminhamos... Assim, pelo trilho, às vezes sem saber para onde...

Maresia disse...

Luiz Fontana
Boa compahia a da poesia... É ela a companheira mais fiel..

Anónimo disse...

E que tal fugir do trilho de vez em qando e partir á descoberta?
Se a professora desorientada que chamou quase um quartel de gente tão só porque não soube admnistrar a impulsividade de três miúdos com o organismo cheio de hormonas em catadupa, se dedicasse um pouco á meditação e a soborear a poesia talvez com mais calma e eficiência soubesse gerir a situação.
Irene você escreve muito bem quer poesia, quer versos e as trilhas são cómodas, protegem-nos os pés mas os sabores das picadelas das silvas só fora das trilhas é que se sentem.
Beijo.
Maria Antonieta

Maresia disse...

Antonieta

Adorei o seu comentário, mesmo.. O diabo das picadelas depois demoram a sarar e já não apetece sair do trilho...

prafrente disse...

Poesia á parte diga-me onde fica esta paisagem divinal?

Maresia disse...

prafrente

É na Madeira..

Lívia Maria disse...

É admirável a sua intimidade com as palavras. Muitas vezes são suficientes para mudarmos de contexto e perceber que a poesia está a todo tempo ao nosso lado. E passo horas e horas a observá-las de certa forma que me encanta. E me encanta mais as suas doces palavras com aromas sutis. Adoro seu blogger... Parabéns!

Lívia Pereira

pedro oliveira disse...

Fazem-me falta,tenho andado muito sedentário.

António Carvalho disse...

Eu fiquei contigo no trilho, pois a beleza estética das palavras feitas de manhãs de dias novos, fazem sempre outros andamentos na nossa vida.
Mas tanta desejo de estar, só com desejos de serenidade e brilho é muito pouco para quem está assim viva de corpo e alma.
Fora da poesia:- Deixa-me felicitar-te pelo teu último artigo no Região de Leiria. Brilhante e é assim que se cresce para a vida sem medos e sem rodeios