terça-feira, 24 de junho de 2008

Ao longe

Chegas-me nesse som de longe...
Odores que flutuam...
Sinto-os nas minhas mãos,
Roçam a minha alma...

Quisera ser palavra
Estar sempre na tua boca
Quem me dera ser inteira
Excessiva, audaz, louca

Como limite o intangível
Coração que não tem freio

Não há longe assim em nós
Pelo ar nos unimos.

4 comentários:

inespimentel disse...

Intenso, arrebatador!

Siala ap Maeve disse...

Enebriante como sempre ... aahhhhque saudades de visitar este cantinho com mais assiduidade.Mas agora só posso mesmo de fugida.
Bjos grandes!!

Só Eu disse...

Texto belissimo.
Gostei muito
Parabens
Beijinhos

© efeneto disse...

Depois de um período de colocação de ideias e palavras em dia, estou de volta às visitas regulares. Ficam aqui palavras e um convite. Voltarei.
Beijos e abraços para passarem um fim-de-semana na companhia da família ou da sua própria.
***
Quem passa por mim
não vê
que homem aqui chegou,
só viu matéria por fora
por dentro nem se lembrou.
Só quero ser, por ora,
um homem que sabe amar,
solitário na solidão
sem inspirar comiseração.
Não me afundarei
em qualquer rio revoltoso.
Nenhuma onda ou túnel
escurecerão a minha vontade.
Sou eu, inteiro e sem ódios
que o meu coração não guarda.
Serei amanhã o que for
com os amigos em meu redor.

**
Se quiser passar um fim-de-semana com letras, leia a:
H¡S†Ö®¡Ä ÐÄ MËN¡NÄ †®¡S†Ë