domingo, 28 de fevereiro de 2010

Resposta ao Conservador

Os dias que nos escrevem trouxeram-nos aqui
neste cais de barcos embrulhados em palavras
mas que miram o infinito, prenhes de horizonte

apertado o leme
definimos a rota
e nos mapas embutidos no peito
traçamos caminhos com os dedos...

nas borrascas fito o além..
caminhos sempre incertos
juncados de vento e medos.

Ah esta alma de marinheiro
sedenta de espuma e bem!

9 comentários:

Anónimo disse...

É bom dar algo que é seu.

Anónimo disse...

Parabens.

luiz alfredo motta fontana disse...

Ao mais

embora você deva conhecer

fica aqui a sugestão - "Irene" de Caetano Veloso, com Vinicius de Moraes. Toquinho e Maria Creuza no youtube: http://www.youtube.com/watch?v=nTXgZti7xrE&feature=related

Irene

Irene
Caetano Veloso

Eu quero ir, minha gente, eu não sou daqui
Eu não tenho nada, quero ver Irene rir
Quero ver Irene dar sua risada
Quero ver Irene dar sua risada
Irene ri, Irene ri, Irene
Irene ri, Irene ri, Irene
Quero ver Irene dar sua risada

Felipa disse...

O mar entranha-se na pele e sai através dos dedos, nestes poemas lindos...
Beijo

poetaeusou . . . disse...

*
belo post !
,
é no meu mar, neste mar, além,
paraíso de D.Fuas Roupinho
que sinto o sal e a beleza,
nas palavras que os teus
dedos desenharam . . .
,
conchinhas nazarenas, deixo,
,
*

Lídia Borges disse...

Rotas traçadas em mares de nevoeiro.

outroghost disse...

Irene a rota do navio é em frente...até ao Infinito.
O Infinito só é alcançável por mulheres corajosas como a Irene.
O caminho pode ter pedras~.
Mulheres como nós contornamo-las.
Beijinho
Maria Antonieta

Anónimo disse...

Então stora por onde tem andado??

Anónimo disse...

Então stora por onde tem andado??

Joao Fonseca